Camila Bitencourt

Biologia reprodutiva e diversidade genética do míldio da videira (Plasmopara viticola) no planalto de Santa Catarina

 

Resumo:

O Plasmopara viticola, agente causal do míldio da videira, é um pseudofungo, parasita obrigatório e encontra-se dentro da classe dos oomicetos. No Brasil, o míldio é considerado a principal doença da videira principalmente em regiões de clima úmido e de temperaturas amenas. O ciclo reprodutivo do patógeno consiste nas fases: sexuada – ocorrendo a produção de oósporos e assexuada – produção de zoósporos. No Brasil, não há estudo científico comprovando a formação de oósporos de P. viticola.  Acredita-se que a reprodução sexuada seja inexistente nas condições climáticas brasileiras. No entanto, as regiões de altitude de Santa Catarina apresentam baixas temperaturas no inverno, podendo favorecer o desenvolvimento de esporos sexuais e por consequência promover a diversidade genética do patógeno. Os objetivos do projeto são i) identificar se há a formação de oósporos durante o outono, ii) caracterizar a diversidade genética do patógeno através de marcadores moleculares e iii) determinar a contribuição da reprodução sexuada (caso ocorra) em relação à assexuada no decorrer do ciclo vegetativo e reprodutivo da videira. Para as diferentes análises será utilizada a cv. ‘Cabernet Sauvignon’. As amostras de estudo serão coletadas nos municípios de Curitibanos e São Joaquim/SC. As análises laboratoriais serão realizadas no Laboratório de Biotecnologia e Genética da Universidade Federal de Santa Catarina, Campus de Curitibanos. Para a identificação dos oósporos, amostras de folhas infectadas serão coletadas e analisadas através de técnicas histológicas. Para a avaliação da germinação dos oósporos, folhas serão coletadas e acondicionadas a campo, estas serão analisadas em diferentes períodos do ciclo da cultura. Para a caracterização da diversidade genética do patógeno serão coletadas lesões da doença em folhas. O DNA das lesões será extraído e genotipado com marcadores microssatélites. O conhecimento da estrutura genética e reprodutiva do patógeno é fundamental para o manejo da doença e desenvolvimento de variedades de videira resistentes à doença. Com o conhecimento da diversidade do patógeno é possível definir estratégias de melhoramento buscando resistência duradoura ao míldio. Este conhecimento também contribuirá no desenvolvimento de métodos de manejo, tais como a elaboração de modelos de previsão para promover um controle químico mais eficiente da doença. Por consequência, estes estudos fortalecem a atividade vitícola e promovem a geração de emprego, renda e a fixação do homem ao campo.

 

Data e horário da apresentação pública do Projeto de Dissertação:

25/08/2017 às 14 horas.