Cristian Valdenir Mecabô

CARACTERIZAÇÃO VITÍCOLA EM GENÓTIPOS RESISTENTE AO MÍLDIO DA VIDEIRA NO PLANALTO CENTRAL DE SANTA CATARINA.

Resumo:

No Brasil a vitivinicultura vem crescendo significativamente nos últimos anos, isso se dá principalmente pela expansão na área cultivada e das tecnologias empregadas na produção de uva e elaboração de vinhos. Em Santa Catarina, as regiões do Litoral Sul Catarinense, Planalto Catarinense, Vale do Rio do Peixe e Vale do Rio Tijucas são os principais polos vitivinícolas do estado. Atualmente novas regiões estão surgindo em zonas de altitude acima de 1.000 metros, entretanto, se faz necessário estudos de avaliação climática, nutricional, fenológica e fisiológica das plantas. O experimento será conduzido no município de Curitibanos, localizado no centro do estado de Santa Catarina, está localizado na Área Experimental Agropecuária da UFSC. A implantação dos genótipos a campo ocorreu no ano de 2015, sob o sistema de espaldeira, com distância entre linhas de 3,0 metros e 1,20 metros entre plantas. O delineamento experimental é em blocos completamente casualizados (BCC), com cinco repetições e 10 plantas por repetição, correspondendo a um total de 300 plantas. O presente trabalho tem como objetivo a caracterização vitícola de novos genótipos no Planalto Catarinense, a partir de estudos que avaliam o comportamento edáfico, índices de produtividade, resistência genética ao Míldio da videira (Plamopara viticola) e o uso de método alternativo no controle da doença. Serão estudadas 6 variedades incluindo dois cultivares Germânia AROMERA e Germânia HELIOS desenvolvidos pelo programa de melhoramento do “Institute for Grapevine Breeding Geilweilerhof”/Siebeldingen/Alemanha e 4 cultivares melhorados pelo Instituto Agrário di San Michele all’ Adige da Itália, sendo eles: Itália BARON, Itália PRIOR, Itália CALANDRO e Itália REGENT. Os resultados são de extrema importância para contribuir com a expansão dos vinhedos da região.